Pular para o conteúdo principal

Cruz.

Nuvem que anda por ai

Sem destino ou algum tipo de caminho a seguir

Céu que com o passar das horas vai ficando estrelado

Junto com a nuvem vêm o Sr. Passado.

Esta carrega chuva ou choradeira?

Sentimentos colhidos durante dias...

Semanas inteiras.

Despejados sem dó

Em um povo já arrasado.

Pergunto a Deus por quê?

Ele responde em um tom irado:

-Quem sabe de cada cruz sou eu

E não me deixe amolado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolhas de Café...

Todos os dias eu vejo ela ali . . . em bolhas de café ela começa a surgir... Digo não, Digo não... Sai da minha xícara, sai do meu coração!

Depois destes dias
Não sei mais o que faço
Não bebo mais café
Tenho medo do seu abraço

Esta história não tem fim
Porque já se perdeu
Nossos destinos foram diferentes
E aquele cara morreu.

(volta...) Digo não... Digo não...
 Sai da minha xícara, sai do meu coração...


Esta letra escrevi em 2001, estava no segundo ou terceiro ano do ensino médio, não lembro.
Naquele tempo Ramones, Legião, TNT... embalavam os intervalos...
Minha compania preferida era meu violão ( hoje não lembro onde ele esta...)
E minhas "platonices agudas"...





É uma viajem de um "cara" que jura enxergar o rosto da amada nas bolhas formadas na xícara do café...
Poema exposto na Assembleia legislativa do Rio Grande do Sul de 26 de outubro de 2009 à  09 de novembro de 2009.  Espaço comemorativo a semana do servidor público estadual.



ROTINA ATÍPICA

Esquinas, becos escuros...

Um som de sax

Os gatos sem reação

De repente o susto;um clarão

Um Porto de uma Cidade Baixa

O amanhecer é lindo

A volta da bebedeira

Momento sublime de um boêmio

Um café preto para acordar

O livro do velho Mario para alegrar

Um pequeno cochilo

E a rotina a engrenar

Desce a antiga rua, para trabalhar.

- Despedido!Volta para o Bar.

Festinha, que alegria

Minha poesia não é como torta fria,

Parece mais um bolo de aniversário,

Que nestas horas traz alegria



- Pena que o futuro não cansa...

Queria eu um dia voltar a ser criança.

Ninguém me entende.

Não sei se é comigo ou com toda vizinhança!



- Corre garoto! A hora do parabéns chegou...

Você não é só mais um na festa,

Mas sim o sinal do tempo que passou...

Assustados, todos param, a hora do pedido chegou.


Poema premiado na 51º Feira do Livro de Porto Alegre