Pular para o conteúdo principal

Reflexão...Flequição...



Tem dias que tudo parece andar meio devagar, ainda que lá fora o mundo gire em uma velocidade impossível de registrar. Uma série de convicções que vamos formando ao longo de nossa caminhada vão embora em segundos... E tudo continua parecer andar devagar...

Trilhar outro caminho na história alheia parece tão mais fácil.... Este incrédulo mundo solitário parece que vai torturando-nos até extrair nosso melhor... uma linha tênue, divide o desejo de mudança e uma espécie de depressão impulsionada pelo verde que tanto brilha na grama do vizinho. Conhecer estas historias e estórias não nos interessa, queremos logo ir para o fim do livro.

 Venho exercitando a paciência ao mesmo tempo em que apresso para não perder o rumo da vida. Esta dicotomia alucinante desta variação de velocidades, ainda que imaginaria, entre  acompanhar resultados positivos ou não “do alheio” em relação ao nosso “andar devagar” assombra...

Somos estimulados a uma disputa constante, um clichê é afirmar: Eu não me importo com isso... eu não me importo com os que os outros vão pensar... e o mundo não para de girar.

Inquietação com o que se passa do outro lado, uma curiosidade de como somos vistos, a preocupação com as explicações....sim explicações, hoje pela limitação do ânimo de entendimento, fruto da velocidade da informação, o sentido das palavras deve ser lembrado a cada conversa.

Tudo parece estar de cabeça para baixo, uma visão pessimista, realista...  ainda não me decidi sobre qual posição tomar. A idéia que não sai da minha cabeça é a busca incessante por estes momentos de bem estar que se resume o que identificamos como “felicidade”. A que preço? Que movimentos estamos dispostos neste espaço tempo chamado vida, para vivenciar, deleitar ou ainda experimentar... um maior numero destes instantes?

Um convite para uma pequena reflexão após a leitura deste texto, para identificarmos o instante de nossa vida nos encontramos. Momento de virada? agradecer? caminho certo... Enfim, aquela sensação de estar aproveitando... aquele segundo de lucidez sobre identificar o momento e a forma como estamos levando nossa vida.






"Nosso cérebro é o melhor brinquedo já criado: nele se encontram todos os segredos, inclusive o da felicidade". Charles Chaplin


Sejam felizes...

Um Fraternal Abraço,

Ernesto Segundo

Comentários

  1. muitas vezes me pego pensando, se a felicidade grande só se faz grandiosa pela existência de uma certa infelicidade, descontentamento e dificuldades? às vezes essa pressa de querer a felicidade faz ela ser diminuída de sua essência. e de longe sempre a grama do vizinho brilha mais. bjsLisiane

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bolhas de Café...

Todos os dias eu vejo ela ali . . . em bolhas de café ela começa a surgir... Digo não, Digo não... Sai da minha xícara, sai do meu coração!

Depois destes dias
Não sei mais o que faço
Não bebo mais café
Tenho medo do seu abraço

Esta história não tem fim
Porque já se perdeu
Nossos destinos foram diferentes
E aquele cara morreu.

(volta...) Digo não... Digo não...
 Sai da minha xícara, sai do meu coração...


Esta letra escrevi em 2001, estava no segundo ou terceiro ano do ensino médio, não lembro.
Naquele tempo Ramones, Legião, TNT... embalavam os intervalos...
Minha compania preferida era meu violão ( hoje não lembro onde ele esta...)
E minhas "platonices agudas"...





É uma viajem de um "cara" que jura enxergar o rosto da amada nas bolhas formadas na xícara do café...
Poema exposto na Assembleia legislativa do Rio Grande do Sul de 26 de outubro de 2009 à  09 de novembro de 2009.  Espaço comemorativo a semana do servidor público estadual.



ROTINA ATÍPICA

Esquinas, becos escuros...

Um som de sax

Os gatos sem reação

De repente o susto;um clarão

Um Porto de uma Cidade Baixa

O amanhecer é lindo

A volta da bebedeira

Momento sublime de um boêmio

Um café preto para acordar

O livro do velho Mario para alegrar

Um pequeno cochilo

E a rotina a engrenar

Desce a antiga rua, para trabalhar.

- Despedido!Volta para o Bar.

Festinha, que alegria

Minha poesia não é como torta fria,

Parece mais um bolo de aniversário,

Que nestas horas traz alegria



- Pena que o futuro não cansa...

Queria eu um dia voltar a ser criança.

Ninguém me entende.

Não sei se é comigo ou com toda vizinhança!



- Corre garoto! A hora do parabéns chegou...

Você não é só mais um na festa,

Mas sim o sinal do tempo que passou...

Assustados, todos param, a hora do pedido chegou.


Poema premiado na 51º Feira do Livro de Porto Alegre