Pular para o conteúdo principal

Parada.

 
Por vezes a vida insiste em caminhar em um curso que em primeiros momentos teimamos em não aceitar, em tantos outros, questionamento algum é feito e quando você se depara lá esta... de frente com um desconhecido chamado acaso.

Uma fraude...o nome para este movimento é destino...(aquele do dicionário) no teu íntimo deseja e projeta através de tuas ações. Não imaginas tu a força de um pensamento, ainda que inconsciente tuas ações emanam energia que balizam teus caminhos, não seguir o que te apresenta significa não só negar teu caminho, mas negar a si mesmo.

Talvez esteja aí à resposta para "ranzinza" típica dos que possuem a idade mais avançada... a "juventude lúcida" é carregada da coragem... Já a "velhice cega" mascara a falta desta, por conta de um certo tipo de tristeza, adjetivando de várias maneiras... prudência, maturidade... sim, já contaminados pelo maldito conformismo... e o que assusta: alguns por opção.
 
Amarras com justificativas antropológicas vão te dominando ao ponto de não saber mais o que se deseja pelo simples querer ou porque foi levado por um “modelo imposto” por essa massa do “bem viver...” do que é socialmente aceitável.  

Ao refletir sobre o tema, penso o que é ser feliz? Viajando na onda motivacional e nos seres perfeitos que circulam a nossa volta, hoje com advento das "redes ou do social" de alguma forma parece que estão ao nosso lado cobrando no mínimo um tipo de paridade.

Um sopro de banalização e futilidade vai tomando seres em fase final de evolução em troca de instantes... de segundos de prazer no sentido mais pobre da palavra...

A idéia não é trazer nenhum tipo de solução ou algo neste sentido, não tenho esta pretensão, mas fazer aqueles que me rodeiam ainda que indiretamente... dar uma parada... refletir sobre o rumo destes instantes neste plano... objetivando sempre ser uma pessoa melhor (muitos não vão te entender, outros vão achar engraçado... lembre-se: estar contra a ordem impostamente “natural” não é uma tarefa fácil, mas acredito que há um caminho de felicidade plena... um estado de paz ).  


 

Um fraternal abraço! Sejam felizes...

Ernesto Segundo.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolhas de Café...

Todos os dias eu vejo ela ali . . . em bolhas de café ela começa a surgir... Digo não, Digo não... Sai da minha xícara, sai do meu coração!

Depois destes dias
Não sei mais o que faço
Não bebo mais café
Tenho medo do seu abraço

Esta história não tem fim
Porque já se perdeu
Nossos destinos foram diferentes
E aquele cara morreu.

(volta...) Digo não... Digo não...
 Sai da minha xícara, sai do meu coração...


Esta letra escrevi em 2001, estava no segundo ou terceiro ano do ensino médio, não lembro.
Naquele tempo Ramones, Legião, TNT... embalavam os intervalos...
Minha compania preferida era meu violão ( hoje não lembro onde ele esta...)
E minhas "platonices agudas"...





É uma viajem de um "cara" que jura enxergar o rosto da amada nas bolhas formadas na xícara do café...
Poema exposto na Assembleia legislativa do Rio Grande do Sul de 26 de outubro de 2009 à  09 de novembro de 2009.  Espaço comemorativo a semana do servidor público estadual.



ROTINA ATÍPICA

Esquinas, becos escuros...

Um som de sax

Os gatos sem reação

De repente o susto;um clarão

Um Porto de uma Cidade Baixa

O amanhecer é lindo

A volta da bebedeira

Momento sublime de um boêmio

Um café preto para acordar

O livro do velho Mario para alegrar

Um pequeno cochilo

E a rotina a engrenar

Desce a antiga rua, para trabalhar.

- Despedido!Volta para o Bar.

Festinha, que alegria

Minha poesia não é como torta fria,

Parece mais um bolo de aniversário,

Que nestas horas traz alegria



- Pena que o futuro não cansa...

Queria eu um dia voltar a ser criança.

Ninguém me entende.

Não sei se é comigo ou com toda vizinhança!



- Corre garoto! A hora do parabéns chegou...

Você não é só mais um na festa,

Mas sim o sinal do tempo que passou...

Assustados, todos param, a hora do pedido chegou.


Poema premiado na 51º Feira do Livro de Porto Alegre