Pular para o conteúdo principal

VIDA DE UM .

Instinto retraído,
Coleira travada.
Esperança perdida,
Alma lavada.
Sem nenhum movimento
Trabalhando o universo
Pensamento;
Turbilhão,
Concentrado
Tudo isso com o coração.
Com os olhos fechados
Estilo "oração".
O velho olha para o lado
E repara que o tempo passou.
Tinha alguns planos,
Que não realizou.
Universo perdido ou não
Trava não é para leão.



Comentários

  1. O gato que olha para o espelho...preso numa coleira (casa, qqr lugar q seja) e se identifica como um leão..como um ser capaz de ser mais do que aquilo que acham que ele é ou pode ser.

    Daí ele pensa... Estou aqui perdendo toda minha vida???? U. perdido ou não??? E ele mesmo responde... eu posso ser um leão.

    Assim tbm podemos nos achar em diversas situações do cotidiano nefasto de vezes.

    Apenas uma interpretação;.Não sou poeta, apenas um viajante do Tempo e das palavras.

    ResponderExcluir
  2. Renatito "é o cara que tem a manha" (obs: é uma longa história...) Cara o poeta lança palavras e fotografa um sentimento, o leitor é como um viajante que escolhe o seu destino. A diversão de quem escreve é saber se o trêm que o leitor pega leva para o mesmo destino que levou o poeta em um determinado tempo. Poucas pessoas chegam tão perto do meu destino como o caro amigo, um grande abraço!! pessoas acompanhem o cara que têm a manha em: oceanopensante.blogspot.com !!

    ResponderExcluir
  3. Entendo-te irmão, tbm penso assim qdo escrevo... saber se o trem que o leitor pega leva para o mesmo destino que levou o poeta, escritor... E te digo mais, ainda que não leve para o mesmo destino, interessa que leve, apenas leve o leito adiante, numa viagem que o faça pensar, que o instingue sobre o assunto.

    E essa de "o cara que tem a manha" tem até no youtube, se eu não me engano.
    Uma longa, histórica e inesquecível passagem da vida.

    Segue.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bolhas de Café...

Todos os dias eu vejo ela ali . . . em bolhas de café ela começa a surgir... Digo não, Digo não... Sai da minha xícara, sai do meu coração!

Depois destes dias
Não sei mais o que faço
Não bebo mais café
Tenho medo do seu abraço

Esta história não tem fim
Porque já se perdeu
Nossos destinos foram diferentes
E aquele cara morreu.

(volta...) Digo não... Digo não...
 Sai da minha xícara, sai do meu coração...


Esta letra escrevi em 2001, estava no segundo ou terceiro ano do ensino médio, não lembro.
Naquele tempo Ramones, Legião, TNT... embalavam os intervalos...
Minha compania preferida era meu violão ( hoje não lembro onde ele esta...)
E minhas "platonices agudas"...





É uma viajem de um "cara" que jura enxergar o rosto da amada nas bolhas formadas na xícara do café...
Poema exposto na Assembleia legislativa do Rio Grande do Sul de 26 de outubro de 2009 à  09 de novembro de 2009.  Espaço comemorativo a semana do servidor público estadual.



ROTINA ATÍPICA

Esquinas, becos escuros...

Um som de sax

Os gatos sem reação

De repente o susto;um clarão

Um Porto de uma Cidade Baixa

O amanhecer é lindo

A volta da bebedeira

Momento sublime de um boêmio

Um café preto para acordar

O livro do velho Mario para alegrar

Um pequeno cochilo

E a rotina a engrenar

Desce a antiga rua, para trabalhar.

- Despedido!Volta para o Bar.

Festinha, que alegria

Minha poesia não é como torta fria,

Parece mais um bolo de aniversário,

Que nestas horas traz alegria



- Pena que o futuro não cansa...

Queria eu um dia voltar a ser criança.

Ninguém me entende.

Não sei se é comigo ou com toda vizinhança!



- Corre garoto! A hora do parabéns chegou...

Você não é só mais um na festa,

Mas sim o sinal do tempo que passou...

Assustados, todos param, a hora do pedido chegou.


Poema premiado na 51º Feira do Livro de Porto Alegre